SONHOS E ENCANTOS

SONHOS E ENCANTOS

terça-feira, janeiro 11, 2011

Explicação

Meu verso é minha consolação.
Meu verso é minha cachaça. Todo mundo tem sua, cachaça.
Para beber, copo de cristal, canequinha de folha-de-flandres,
folha de taioba, pouco importa: tudo serve.


Para louvar a Deus como para aliviar o peito,
queixar o desprezo da morena, cantar minha vida e trabalhos
é que faço meu verso. E meu verso me agrada.
Meu verso me agrada sempre...

Ele às vezes tem o ar sem-vergonha de quem vai dar uma cambalhota
mas não é para o público, é para mim mesmo essa cambalhota.
Eu bem me entendo.
Não sou alegre. Sou até muito triste. (...)




Se meu verso não deu certo, foi seu ouvido que entortou.

Eu não disse ao senhor que não sou senão poeta?


Drummond

Nenhum comentário:

Memórias de uma Senhorinha Um mundo totalmente novo se apresentava a uma senhorinha que já se habituara às mudanças e as aceitava sempre...

Postagens mais visitadas