SONHOS E ENCANTOS

SONHOS E ENCANTOS

segunda-feira, janeiro 31, 2011

O copo d'água

O velho mestre pediu a um jovem triste que colocasse uma mão cheia de sal em um copo d'água e bebesse.
"Qual é o gosto?", perguntou o Mestre.
"Ruim", disse o aprendiz.
O mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse outra mão cheia de sal e levasse a um lago. Os dois caminharam em silêncio e o jovem jogou o sal no lago, então o velho disse:
"Beba um pouco dessa água".
Enquanto a água escorria do queixo do jovem, o mestre perguntou:
"Qual é o gosto?"
"Bom!" disse o rapaz.
"Você sente gosto do sal?", perguntou o mestre.
"Não", disse o jovem.
O mestre então sentou ao lado do jovem, pegou sua mão e disse:
"A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende do lugar onde a colocamos. Então quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido das coisas. Deixe de ser um copo. Torne-se um lago".

Logo mais anoitece e a gente vai espiar estrelas, combinado?

sábado, janeiro 29, 2011

"Há uma relação entre a alegria necessária á atividade educativa e a esperança. A esperança de que professor e alunos juntos podemos aprender, ensinar, inquietar-nos, produzir e juntos igualmente resistir aos obstáculos á nossa alegria." Paulo Freire "O que eu ouço, ESQUEÇO. O que eu vejo, LEMBRO. O que eu faço, APRENDO" Confúcio "Não reconheço outra grandeza que não seja a bondade" Beethoven "O homeme de bem exige tudo de si próprio; o homem medíocre espera dos outros" Confúcio "A cultura está acima da diferença da condição social" "Na vida do homem, o AMOR é uma coisa à parte, na da mulher é toda a vida" Lorde Byron "Não acrescente dias a sua vida, mas sim vida aos seus dias" Harry Benjamin "Não hà solidão mais triste do que a do homem sem amizades. A falta de amigos faz com que o mundo pareça um deserto" Francis Bacon "A amizade é um amor que nunca morre" Mario Quintana "O verdadeiro AMOR nunca se desgasta. Quanto mais se dá, mais se tem" Antoine de Saint-Exupéry "Há três coisas na vida que não voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida" "Para quê preocuparmo-nos com a morte? A vida têm tantos problemas que temos que resolver primeiro" Confúcio "O homem realmente culto não se envergonha de fazer perguntas aos menos instruidos" Lao-Tsé "A simplicidade é o último degrau para se atingir a perfeição" Confúcio "Tudo que é bom, dura o necessário para se tornar inesquecivel" 'Saudade é a certeza de que o nosso passado valeu a pena" " Educar é ser um artesão da personalidade, um poeta da inteligência, um semeador de idéias." Augusto Cury
O que não me faz bem, não me faz falta.

“Que toda energia negativa que chegue aqui, se transforme em amor.”
Boa Noite....

Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver.

Dalai Lama

Errar é humano, mas quando a borracha se gasta mais do que o lápis,
você está positivamente exagerando.
AMIZADE
SELINHO DA AMIZADE

sexta-feira, janeiro 28, 2011

Desconheço a autoria deste maravilhoso texto.

Quase todos os seres humanos
possuem uma característica típica
da esquizofrenia: fazerem continuamente
as mesmas coisas e ficar à espera de
resultados diferentes.

Todas as pessoas querem vidas
melhores, mais saúde, melhores
relacionamentos, mais abundância
financeira...
Mas... dia após dia fazem exatamente
as mesmas coisas!
À espera de um milagre.
Que nunca irá acontecer!

Porque são loucas...

Porque acreditam que vão mudar
de vida sem mudar.
Porque se meditarem o suficiente
serão abençoadas com milhares de
coisas boas, sem necessidade de mudar
o que quer que seja.
Já reparou que à sua volta, na
natureza, nada permanece constante?
Tudo muda continuamente.
E no entanto, você... que quer mudanças
na sua vida, está a espera que elas ocorram
sem mudar.

Bem vindo à insanidade!

A maior parte das pessoas tem um sonho
e faz planos para o manifestar e medita.
E acredita na Lei da Atração e até é capaz
de escrever alguma coisa e esperar que
as pessoas à sua volta comecem a mudar...

E nada acontece...

Porque a mudança tem que começar dentro
de cada um primeiro!
Tudo começa com os rótulos que colocamos
sobre cada experiência do nosso cotidiano.
Qualquer experiência sua é sempre uma
aprendizagem.
O "bom" e o "mau" é apenas um rótulo que
voce decide colocar.
Quando sentir que a experiência merece um rótulo
"negativo" aprenda, antes de colocaro rótulo, a
afirmar algo como "não sei de que forma esta
experiência é boa pra mim, MAS É!!

Quanto mais negativo for aquilo que
tenho pra dizer, mais demoro pra dizer.

É uma técnica ensinada por D. Juan, dissolver a
negatividade para dar poder à divindade.
Ame cada experiência se quer atrair
experiências melhores.
E lembre-se que jamis passará por uma
experiência "dramática", a menos que
esteja preparado/a para ela.
"Quem vive no presente com olhos no passado
descobrirá que não tem futuro."
"Insanidade é fazer repetidamente as
mesmas coisas e esperar resultados diferentes."
Pare de se queixar para que esse tema se
dissolva.
Agradeça mais!
Reclame menos!
Em tudo que fazes, lembra-te:

O UNIVERSO NÃO É ESTÚPIDO!
http://img396.imageshack.us/i/pombinha.gif/

quinta-feira, janeiro 27, 2011


Quem tenta ajudar uma borboleta a sair do casulo a mata. Quem tenta ajudar um broto a sair da semente o destrói. Há certas coisas que não podem ser ajudadas. Têm que acontecer de dentro para fora.

Rubem Alves

A alegria de ler Rubem Alves.

 http://2.bp.blogspot.com/_TFYwDO68gws/SRsKuGKUDMI/AAAAAAAAAIo/4IRKydLm_Dg/s320/ler4%5B1%5D.jpghttp://2.bp.blogspot.com/_TFYwDO68gws/SRsKuGKUDMI/AAAAAAAAAIo/4IRKydLm_Dg/s320/ler4%5B1%5D.jpg

 http://2.bp.blogspot.com/_TFYwDO68gws/SRsKuGKUDMI/AAAAAAAAAIo/4IRKydLm_Dg/s320/ler4%5B1%5D.jpg

Por Erika Kokay

 

“Não haverá borboletas se a vida não passar por longas e silenciosas metamorfoses”.
 
 
"Este pensamento de Rubem Alves só pode ganhar concretude no desenvolvimento da humanidade pelo desenvolvimento contínuo do processo educacional, entendido este como a possibilidade de transformar permanente e processualmente o mundo e as pessoas como numa metamorfose longa e silenciosa.
Mas esse processo evolutivo só é possível com a convergência de várias transformações que começam nas pessoas que, mesmo diante dos sofrimentos causados pelas pedras no caminho, sabem superar, valorizando a capacidade, a criatividade, mas, sobretudo, a alegria de aprender e ensinar como nos ensina Rubem Alves.
Rubem, se me permita, acredita que a verdade se encontra no avesso das coisas, como na alegria de ser professor, pois o sofrimento de se ser um professor é semelhante ao sofrimento das dores de parto: a mãe o aceita e logo dele se esquece, pela alegria de dar à luz um filho.
Rubem nos ensina que Zaratustra quando tinha 30 anos de idade deixou a sua casa e subiu para as montanhas. Ali ele gozou do seu espírito e da sua solidão, e por dez anos não se cansou. Eis que cansado de sua sabedoria, sentiu a necessidade de “mãos estendidas que a recebam”. Mas, para isso, teve de descer às profundezas e recomeçar.
Assim se inicia a saga de Zaratustra, com uma meditação sobre a felicidade.
A felicidade começa na solidão: uma taça que se deixa encher com a alegria que transborda do sol. Mas vem o tempo quando a taça se enche. Ela não mais pode conter aquilo que recebe. Deseja transbordar.
Zaratustra percebe então que sua alma passa por uma metamorfose. Chega a hora de uma alegria maior: a de compartilhar com os homens a felicidade que nele mora. Seus olhos procuram mãos estendidas que possam receber a sua riqueza. Zaratustra, o sábio, se transforma em mestre. Pois ser mestre é isso: ensinar a felicidade.
Para Rubem Alves, o ensino das ciências, o ensino da literatura, o ensino da história,
o ensino matemática não são apenas disciplinas a serem ministradas, mas “taças multiformes coloridas, que devem estar cheias de alegria”.
Essa felicidade deve ser compartilhada com aqueles que recebem o ensinamento: os alunos.
A alegria de ensinar deve ter a contrapartida da alegria de aprender. Para Rubem,
são os alunos que atestam essa felicidade.
Em “Entre a ciência e a sapiência – o dilema da educação”, Rubem Alves nos fala que seus sonhos são suas esperanças e que eles são a imagem visível das esperanças. Eles não correspondem a nada que exista. Não têm, portanto, existência no mundo da ciência.
Rubem, na sua alegria exuberante, nos ensina que quando os sonhos assumem forma concreta (Hegel dava a isso o nome de “objetividade do espírito”), surge a beleza como a “Pietà”, de Michelangelo, o “Beijo”, de Rodin, as telas de Van Gogh e Monet, as músicas de Tom Jobim, os livros de Guimarães Rosa e de Saramago. Antes de existir como fatos, as casas e os jardins existiram como sonhos.
É irresistível a sua indagação: o que se encontra no início? O jardim ou o jardineiro? É o jardineiro. Havendo um jardineiro, mais cedo ou mais tarde um jardim aparecerá. Mas, havendo um jardim sem jardineiro, mas cedo ou mais tarde ele desaparecerá. O que é um jardineiro? Uma pessoa cujo pensamento está cheio de jardins. O que faz um jardim são os pensamentos do jardineiro. O que faz um povo são os pensamentos daqueles que o compõem.
Se todas as pessoas, desde a infância pudessem aprender nas escolas os direitos humanos de todas as pessoas, homens e mulheres, hoje crianças amanhã idosos, poderíamos sonhar e concretizar o sonho de uma humanidade mais justa, tolerante e igualitária.
As escolas, além de se dedicar ao ensino dos saberes científicos, deveriam, como nos ensina Rubem Alves,  superar os seus muros curriculares, dedicando-se também em criar sonhos e fomentar esperanças.  
Zaratustra dizia haver chegado o tempo para que o homem plantasse as sementes de sua mais alta esperança. E é essa a imagem que se forma ao lermos Rubem Alves escrever sobre a sua paixão pela educação e pela sua busca incessante de discípulos para neles plantar suas esperanças e sua imensa e prazerosa alegria de ensinar e transformar".
 
Deputada Distrital Erika Kokay – PT/DF
Mãe de três filhos, Leon, Pablo e Natascha, casada, nascida em Fortaleza-CE e residente no DF desde 1975, Erika Kokay começou sua vida política em 1976, quando ingressou na Universidade de Brasília.

"Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma... Todo o universo conspira a seu favor!" - Goethe

terça-feira, janeiro 25, 2011

"

Chico Buarque - Piruetas

Como a bailarina a bailar
num palco iluminado
pela pálida luz do luar
Seu belo corpo a rodopiar
gira-gira no ar...
em movimentos leves e graciosos
ritmados pela música da própria alma

Assim o poeta rodopia
bailando livremente no papel
branco e límpido
que espera plácido e comovido
pela dança de suas palavras
Coreógrafo da alma que é
se entrega à esse momento mágico

E as palavras ganham vida
ao som de violinos e harpas
E convidam a dançar
A bailarina se apruma
Ponta- de-pé e inicia
sua dança-poesia.
O pedigree do mel não diz nada a uma abelha”
 O rancor dos homens
Contaminou as flores
 As abelhas
Morreram de cólera
Adocicada
                              
Último zumbido
Acordou o Sol
Em cadência afinada
Qual canção do Vangelis

Paris e um amor
Ode de absinto
E dança
A voz de Piaf acorda
As pedras de um beco:
“C'est lui pour moi
Moi pour lui dans la vie”
Um passo uma dança
O peito tísico abraça:
Pele lunar de Jeanne
- A musa sem olhos -
Os bêbados rasgados
A lua amassada
E o triste passado
Sepultado em Livorno
Bárbara Lia para Modigliani

Arigatô, Ramón!

Qual o pai da menina do filme – O livro de cabeceira - tecestes anagramas em minha pele... A palavra LIBERDADE e os sonhos do sertão que você cultivou docemente. Arigatô, meu pai. No lugar onde nasci existia a maior colônia de japoneses do nosso Estado. E tua vida era zen. A minha vida era um risco. Pequeno traço escuro no papel de arroz – olho de pássaro. Um pequeno pássaro de papel branco cortando as planícies e misturando-se ao algodão que os sitiantes plantavam. Era assim nossa Assai. Nada lá é memória para mim, Ramón. Nada.

Olho para esta foto que é o que restou da minha vida em Assai. A minha primeira foto.

Esta imagem:

Tenho três anos e estou em uma estrada de chão. Estou descalça. O vestido é novo. A foto sépia descortina uma roupa clara, simples. Estou bonita, ainda que descalça. Os cabelos curtos morenos lisos. Uma franja pequena. Um rostinho delicado. O vestido deixa à mostra a seqüela de Pólio. Não tenho nenhuma foto antes desta, é a primeira. A sacramentar o meu destino. Estaria sempre só pela estrada da vida. Sépia. Minha vida Sépia. Nem colorida e nem em preto e branco.

Ramón sempre perguntava a cada manhã quando eu me sentava para a primeira refeição.

- Teve sonhos coloridos ou em preto e branco?

Décadas se passaram e hoje devo dizer ao meu pai, onde quer que ele se encontre – Sempre sonhei colorido, mas, quando ia revelar meus sonhos no Laboratório da Vida a revelação era sempre – Sépia.

Meus sonhos nunca puderam ver a luz dos dias. Demoravam tanto que ao chegarem até mim não passavam de fotos amarelecidas, este sépia eterno...

Ainda assim:

Arigatô, Ramón!

O ideograma – palavra – desenhado na altura do meu coração, cada vez que recitavas os versos de Gonçalves Dias, de Camões...

E quando a noite caia e a casa ficava quieta o teu vulto curvado sobre uma mesa calculando a distância entre uma e outra gleba. Gleba, que palavra esta, Ramón? Quando eu ia ao colégio e aprendia o básico, não sabia a professora que eu tinha um dicionário atado ao meu uniforme de menina. Que nas noites eu ouvia lendas gregas e lendas indígenas. E que me contavas sobre a tua vida de menino entre os índios. Que eu me assustava só de ouvir a palavra jaguatirica. O sertão teu era bordado na mata-junta como se um filme estivesse impregnado e aquela madeira clara fosse o primeiro celulóide a projetar em uma fictícia tela um reino de águas claras e cipós. A lua clara era minha amiga, por compreender que ela foi a primeira lâmpada da vida do pai. Cada vez que ele contava como se atirava de uma escarpa muito alta nas águas do rio eu sentia o tremor das águas. O dom dele: Com carinho e cuidado me levar ao caminho que ele havia percorrido e me ensinar a escrever antes mesmo das primeiras aulas. Era um tédio de abelhas e sapos as aulas da mulher morena no pequeno Grupo Escolar. Eu já havia escrito hinos em meu coração e já dedilhara todo o alfabeto da natureza.

Arigatô, Ramón.

Pelas serestas e pela poesia.

O que te leva a ser, dentro de uma metáfora, como o pai daquela garotinha de Peter Greenaway, que pinta em sua pele anagramas e a partir desta infância constrói uma escritora.

O que não sabias é que eu teria que sair mil vezes à chuva para apagar cada história pincelada em meu corpo. Que meu corpo quase viraria chuva, de tanta chuva.

Tinta negra e jocosa escorrendo cada vez que tive que apagar um enredo prometido para deixar meu corpo de novo – página branca.

Ainda assim:

Arigatô, Ramón.

Pura metáfora.

De real mesmo uma impressão eterna – teus lábios em minha testa.

Quando lembro todas as nossas despedidas dá um nó na garganta.

O carinho fecundo do teu beijo.

O carinho de cada adeus pousando seus lábios finos em minha testa, uma reverência eterna.

O beijo do pai era para lacrar a minha mente de ouro. A sua menina nota dez, que não ia nunca ser miss, nem atleta, nem corredora de maratona, nem nada... Ia ser apenas a sua enrustida poeta. Embora ele tenha morrido antes da minha vida tomar este rumo da escrita, ele lia minha alma sensível e dividia comigo tudo o que sabia. Como quem deposita hieróglifos em minha alma. Anagramas em minha pele. Um tesouro que eu guardei. Cada palavra. Cada conto. Cada lenda. Cada estrela que apontou com seus dedos morenos.

BÁRBARA LIA
...
de uma possível Biografia

Não é hora de ficar buscando por culpados. Que o único dedo apontado agora seja o "Dedo-de-Deus", aquele pico rochoso que há na serra de Teresópolis, cujo contorno se assemelha a uma mão apontando o dedo indicador para o céu. Que em vez de dedos à riste, encontremos agora mãos estendidas por parte de todos os cariocas, fluminenses e brasileiros, para atenuar a dor da população da região serrana do Rio, que sofre sua maior tragédia.


(Retirado do Blog Hermes Fernandes)





{Hoje sempre que me vinha a vontade rir, gargalhar... de imediato eu lembrava dessa tragédia e da dor dos que por ela estão passando...Veja como ajudar aqui.}

Ei você

Sorria...
Mas não se esconda atrás desse sorriso....
Mostre aquilo que você é, sem medo...
Existem pessoas que sonham com o seu sorriso, assim como eu...
Viva! Tente!
A vida não passa de uma tentativa.

Ei,
ame acima de tudo, ame a tudo e a todos.
Não feche os olhos para a sujeira do mundo... não ignore a fome !
Procure o que há de bom em tudo e em todos. Não faça dos defeitos uma distância, e sim, uma aproximação..

Aceite a vida, as pessoas..
Faça delas a sua razão de viver... Entenda !
Entenda as pessoas que pensam diferente de você (não as reprove).

Ei, olhe...
Olhe a sua volta quantos amigos....
Você já tornou alguém feliz hoje, Ou fez alguém sofrer com o seu egoísmo?
Ei, não corra.
Para que tanta pressa?
Corra apenas para dentro de você..

Sonhe !
Mas não prejudique ninguém e não transforme seu sonho em fuga. Acredite ! Espere !
Sempre haverá uma saída, sempre brilhará uma estrela. Chore, lute !!! Faça aquilo que gosta, sinta o que há dentro de você.

Ei, ouça...
Escute o que as outras pessoas têm a dizer...É importante !!!Suba... Faça dos obstáculos, degraus para aquilo que você acha supremo.
Mas não esqueça daqueles que não conseguem subir a escada da vida.

Ei, descubra !!!
Descubra aquilo que há de bom dentro de você.
Procure acima de tudo ser gente..
Eu também vou tentar.
Ei, você...
Não vá embora.
Eu preciso dizer-lhe que...
Te adoro, simplesmente porque você existe !!!

(Charles Chaplin)


domingo, janeiro 23, 2011

"Apenas desejo intensamente que você não avance demais para não cair do outro lado. Você tem de ser equilibrista até o fim da vida. E suando muito, apertando o cabo da sombrinha aberta, com medo de cair, olhando a distância do arame já percorrido e do arame a percorrer — e sempre tendo de exibir para o público um falso sorriso de calma e facilidade. Tem de fazer isso todos os dias, para os outros, como se na vida não tivesse feito outra coisa, para você como se fosse sempre a primeira vez, e a mais perigosa. Do contrário seu número será um fracasso."

(Fernando Sabino para Clarice Lispector)
Oito presentes que não custam nada.


O PRESENTE ESCUTAR... Mas você deve realmente escutar. Sem interrupção, sem distração, sem planejar sua resposta. Apenas escutar.

O PRESENTE AFEIÇÃO... Seja generoso com abraços, beijos, tapinhas nas costas e aperto de mãos. Deixe estas pequenas ações demonstrarem o amor que você tem por família e amigos.

O PRESENTE SORRISO.... Junte alguns desenhos. Compartilhe artigos e histórias engraçadas. Seu presente será dizer, "Eu adoro rir com você."

O PRESENTE BILHETINHO... Pode ser um simples bilhete de "Muito obrigado por sua ajuda" ou um soneto completo. Um breve bilhete escrito à mão pode ser lembrado pelo resto da vida, e pode mesmo mudar uma vida.

O PRESENTE ELOGIO... Um simples e sincero, "Você ficou muito bem de vermelho", "Você fez um super trabalho" ou "Que comida maravilhosa" faz o dia de alguém.

O PRESENTE FAVOR... Todo dia, faça algo amável.

O PRESENTE SOLIDÃO... Tem momentos em que nós não queremos nada mais do que ficar sozinhos. Seja sensível à esses momentos e dê o presente da solidão ao outro.

O PRESENTE DISPOSIÇÃO... A maneira mais fácil de sentir-se bem é colocar-se à disposição de alguém, e isso não é difícil de ser feito.


É amigos!!!
Esses presentes não custam dinheiro e podem mudar a sua vida e de quem vive com você.
Que tal usarmos esses 8 presentes?


(Velho Sábio)



Nunca Inúteis


Nunca se diga inútil nos mecanismos da vida.

A usina é um centro gigantesco de força, mas é a lâmpada que dosa em casa a luz de que carecemos.

Determinada moradia será provavelmente um palácio, mas é a chave que lhe resguarda a segurança.

O depósito de algodão é garantia valiosa na indústria, mas o tecido na espécie é formado pelo fio que ele produz.

O livro pode ser um tesouro de conhecimentos superiores, mas não surgiria sem as letras do alfabeto.

A sinfonia é um espetáculo de grandeza, mas não existiria sem a base nas sete notas.

Meditemos na importância da vida, em qualquer setor, e trabalhemos.

Realmente, não somos indispensáveis, porque a Providência Divina não pode falir quando falhamos transitoriamente, mas, em verdade, segundo a Sabedoria do Universo:
"Deus não nos criaria, se não tivesse necessidade de nós."
(Chico Xavier, pelo Espírito André Luiz)
"Ou me quer e vem, ou não me quer e não vem. Mas que me diga logo pra que eu possa desocupar o coração."

2.10




A VIDA
(Henfil)

"Por muito tempo eu pensei que a minha vida fosse se tornar uma vida de verdade.
Mas sempre havia um obstáculo no caminho, algo a ser ultrapassado antes de começar a viver, um trabalho não terminado, uma conta a ser paga.

Aí sim, a vida de verdade começaria.
Por fim, cheguei a conclusão de que esses obstáculos eram a minha vida
de verdade.
Essa perspectiva tem me ajudado a ver que não existe um caminho para a felicidade.
A felicidade é o caminho!

Assim, aproveite todos os momentos que você tem.
E aproveite-os mais se você tem alguém especial para compartilhar,
especial o suficiente para passar seu tempo;
e lembre-se que o tempo não espera ninguém.

Portanto, pare de esperar até que você termine a faculdade;
Até que você volte para a faculdade;
Até que você perca 5 quilos;
até que você ganhe 5 quilos;
até que você tenha tido filhos;
até que seus filhos tenham saído de casa;
até que você se case;
até que você se divorcie;
até sexta à noite;
até segunda de manhã;
até que você tenha comprado um carro ou uma casa nova;
até que seu carro ou sua casa tenham sido pagos;
até o próximo verão, outono, inverno;
até que você esteja aposentado;
até que a sua música toque;
até que você tenha terminado seu drink;
até que você esteja sóbrio de novo;
até que você morra;
E decida que não há hora melhor para ser feliz do que AGORA MESMO...
Lembre-se:

"Felicidade é uma viagem, não um destino".




:

Porque a liberdade não tem definição

"Que nada nos limite. Que nada nos defina.

Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substancia."
 Simone Beauvoir
"Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir. Não sou pretensiosa. Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando..." Clarice Lispector
quinta-feira, 20 de janeiro de 2011
Martha Medeiros
A Alegria na Tristeza


O título desse texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se "Alegría de la tristeza" e está no livro "La vida ese paréntesis" que, até onde sei, permanece inédito no Brasil.


O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente, a tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato de ainda conseguirmos senti-la.


Pode parecer confuso mas é um alento. Olhe para o lado: estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir. Além disso, as pessoas estão sem dinheiro. Quem tem emprego, segura. Quem não tem, procura. Os que possuem um amor desconfiam até da própria sombra, já que há muita oferta de sexo no mercado. E a gente corre pra caramba, é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia. Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado pra fora.


Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento.


Sentir é um retiro, fazer é uma festa. O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende grana, contatos, diplomas, convites, aquisições. Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais. Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido. Ok, tristeza não faz realmente bem pra saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nossos botões. E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada. Triste é não sentir nada.

Martha Medeiros

A Alegria na Tristeza


O título desse texto na verdade não é meu, e sim de um poema do uruguaio Mario Benedetti. No original, chama-se "Alegría de la tristeza" e está no livro "La vida ese paréntesis" que, até onde sei, permanece inédito no Brasil.


O poema diz que a gente pode entristecer-se por vários motivos ou por nenhum motivo aparente, a tristeza pode ser por nós mesmos ou pelas dores do mundo, pode advir de uma palavra ou de um gesto, mas que ela sempre aparece e devemos nos aprontar para recebê-la, porque existe uma alegria inesperada na tristeza, que vem do fato de ainda conseguirmos senti-la.


Pode parecer confuso mas é um alento. Olhe para o lado: estamos vivendo numa era em que pessoas matam em briga de trânsito, matam por um boné, matam para se divertir. Além disso, as pessoas estão sem dinheiro. Quem tem emprego, segura. Quem não tem, procura. Os que possuem um amor desconfiam até da própria sombra, já que há muita oferta de sexo no mercado. E a gente corre pra caramba, é escravo do relógio, não consegue mais ficar deitado numa rede, lendo um livro, ouvindo música. Há tanta coisa pra fazer que resta pouco tempo pra sentir.

Por isso, qualquer sentimento é bem-vindo, mesmo que não seja uma euforia, um gozo, um entusiasmo, mesmo que seja uma melancolia. Sentir é um verbo que se conjuga para dentro, ao contrário do fazer, que é conjugado pra fora.


Sentir alimenta, sentir ensina, sentir aquieta. Fazer é muito barulhento.


Sentir é um retiro, fazer é uma festa. O sentir não pode ser escutado, apenas auscultado. Sentir e fazer, ambos são necessários, mas só o fazer rende grana, contatos, diplomas, convites, aquisições. Até parece que sentir não serve para subir na vida.

Uma pessoa triste é evitada. Não cabe no mundo da propaganda dos cremes dentais, dos pagodes, dos carnavais. Tristeza parece praga, lepra, doença contagiosa, um estacionamento proibido. Ok, tristeza não faz realmente bem pra saúde, mas a introspecção é um recuo providencial, pois é quando silenciamos que melhor conversamos com nossos botões. E dessa conversa sai luz, lições, sinais, e a tristeza acaba saindo também, dando espaço para uma alegria nova e revitalizada. Triste é não sentir nada.








Um momento para refletir...


Desmediocrize sua vida.Procure seus “desaparecidos”, resgate seus afetos.
Aprenda com quem tiver algo a ensinar, e ensine algo àqueles que estão engessados em suas teses de certo e errado. Troque experiências, troque risadas, troque carícias. Não é preciso chegar num momento limite para se dar conta disso.
O enfrentamento das pequenas mortes que nos acontecem em vida já é o empurrão necessário. Morremos um pouco todos os dias, e todos os dias devemos procurar um final bonito antes de partir.
(Martha Medeiros)


Então a borboleta abre lentamente suas asas sobre a folha 

e sai a borboletear feito uma doidinha levíssima e alegríssima.

Sua vida é breve, mas intensa!...

clarice lispector

sábado, janeiro 22, 2011

Vintage Photography: Vintage Beauty

Vintage Photography: Vintage Beauty: "via"
O
Eu amava, como amava algum cantor, de qualquer clichê, de cabaré, de lua e flor... Eu  sonhava como a feia na vitrine, como carta que se assina em vão... Eu amava, como amava um sonhador, sem saber porquê, e amava ter no coração. A certeza ventilada de poesia, de que o dia, amanhece não... Eu amava, como amava um pescador, que se encanta mais com a rede que com o mar. Eu amava, como jamais poderia, se soubesse como te encontrar...

UP - Dear Bobbie

“Eu também sou vítima de sonhos adiados, de esperanças dilaceradas, mas, apesar disso, eu ainda tenho um sonho, porque a gente não pode desistir da vida.” 


Martin Luther King
"Sou uma mulher madura, Que às vezes anda de balanço, Sou uma criança insegura, Que às vezes usa salto alto, Sou uma mulher que balança, Sou uma criança que atura."

Clarice Lispector

Clarice Lispector
"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida."

Tati Bernardi

Tati Bernardi
Os grandes amores são assim mesmo, eles nos dão o caminho da emoção, mas os sentimentos de verdade são apenas nossos, ninguém copia, ninguém leva, ninguém divide...

Picasso

Picasso
"Há pessoas que transformam o sol numa simples mancha amarela, mais há também aquelas que fazem de uma simples mancha amarela o próprio sol."

Calvin

Calvin
"A vida é curta demais pra eu tentar agradar cada idiota que pensa que sabe como eu deveria agir"

É sempre AMOR, mesmo que acabe.

Passado, Presente e Futuro.

Passado, Presente e Futuro.
Eu quero ser feliz sem pensar no amanhã, sem ligar pro ontem, porque o ontem é passado, o amanhã futuro e o hoje é uma dádiva.. Por isso se chama presente.

Mudei muito, e não preciso que acreditem na minha mudança para que eu tenha mudado" - Caio F. Abreu

DESIGN BY:


By Evelyn Regly
 

Memórias de uma senhorinha Imagem da Net "Sempre tive pés falhos. Pés que falharam na vontade de prosseguir. Na ânsia de dei...

Postagens mais visitadas