SONHOS E ENCANTOS

SONHOS E ENCANTOS

terça-feira, fevereiro 08, 2011

Capricho - A dedicação que faz bem
Só podemos fazer o que é possível, mas podemos fazer o melhor possível.
Quem não se lembra da sensação de terminar uma lição de casa bem feita - limpinha, letra uniforme, bem diagramada, bom conteúdo. Minhas lições eram feitas ainda a mão. E lembra quando mudei do estilo fazer-de-qualquer-jeito para jeito-caprichoso-de-fazer. Mudei e gostei. Porque dá prazer, mesmo, entregar um trabalho bem feito - a satisfação de cumprir bem uma tarefa é ingrediente para nutrir a auto-estima. No princípio, o reconhecimento em cada "muito bem, isso mesmo, parabéns" com que somos brindados cria a base dessa confiança interna.
Para repetir esse prazer, a gente se empenha em cumprir bem as tarefas que nos são dadas. E não falo só da escola não. Falo do capricho na vida, não só na letra. Porque o mesmo prazer que sentimos quando aquela professora nos devolvia o caderno com um sorriso e nota alta pode ser recuperado num relatório bem feito, depois de uma negociação bem conduzida ou nos cadernos bem encapados para as crianças começarem o ano. Tudo que fazemos serve como um espelho que reflete aquele olhar de satisfação.
Viver a vida num estilo caprichado é uma chave para viver satisfeito! Pense bem: dar o sangue no trabalho para fazer o melhor, mas sair arrasada com o mau humor nos píncaros, rosnando no trânsito e chutando sombra, não adianta nada. Porque você acaba intoxicada e oferecendo o pior para as pessoas que você se relaciona e, supõe-se, mais ama. Isso não satisfaz ninguém. Nem passa perto do capricho que quero trazer pra conversa. Não falo de departamentalizar sua dedicação. Adianta ser o melhor profissional e uma pessoa exaurida, ácida e gasta? Tampouco resolve ser a rainha do lar com seu potencial frustrado, mediana. Vivemos a busca do equilíbrio para sempre.
Premissa básica: só podemos fazer o que é possível, mas podemos fazer o melhor possível. Nada de desdobrar-se, esticar cordas e nem estressar ninguém - só o que for possível. Também não vale descambar para zona de conforto do mínimo, certo? Lição de casa caprichada: foco, atenção, ordem, logística, estética.
Chegar da feira (ainda se faz feira?) e arrumar as coisas em cestas e gamelas é muito mais legal do que guardar tudo em saquinhos na geladeira. E já que vai arrumar a mesa mesmo, por que não variar a louça ou salpicar aniz estrelado pela toalha, acender umas velinhas de vez em quando? Até as crianças vão reparar. E a gente, enquanto vai inventando, já está se divertindo. Claro que escutar um elogio e saber-se reconhecida é muito bom, mas não é necessário quando somos caprichosos. Recomendo aproveitar a tarefa a ser realizada para conectar-se e procurar aí dentro tudo que você dispõe para fazer bem o que te toca - e ter de volta a sensação de aprovação interna. Este sim, o elogio que precisamos sempre, o que nasceu no reconhecimento do outro, na infância, e tornou-se parte sua - a boa autocrítica. Criteriosa e ética, mas não implacável.
Texto de Lúcia Rosenberg - IG Delas (mas que muito me tocou

Um comentário:

Leninha disse...

Achei o texto parecido comigo e com as minhas ideias...sempre gostei tambem do caderno caprichado,da letra bonita e dos elogios das freiras...mais tarde repeti este capricho no trabalho,desenhando nos cadernos dos alunos todos os dias.Ja vai longe este tempo,mas parece que foi ontem[eta lugar comum!!!mas Lucia Rosenberg me fez viajar ate la...

Memórias de uma senhorinha Dores de Campos...cidade calma, tranquila e repleta de belas histórias. Seu povo hospitaleiro a conquisto...

Postagens mais visitadas