SONHOS E ENCANTOS

SONHOS E ENCANTOS

terça-feira, maio 30, 2017

Memórias de uma senhorinha

 Voltando ao passado

As montanhas de Minas Gerais são surpreendentemente belas.Proporcionam paisagens que encantam a todos que as vislumbram.E as montanhas de Resende Costa eram ,realmente, um caso à parte em se tratando de beleza.Da laje,a visão que se tinha era de um colorido exuberante ,com nuances variadas e ricas...uma paleta de cores que em certos instantes nos lembrava o mar que não temos , porém sonhado por todos nós.

          "As lajes não são somente os alicerces de Resende Costa. A beleza e o aconchego do lugar atraem, desde os primórdios da cidade, pessoas que transformaram o rochedo num bucólico e agradável ponto de lazer e encontro. Nos finais de semana, especialmente nas tardes de domingo, o movimento nas lajes de cima é intenso. As pessoas sentam-se sobre as pedras para conversar, namorar, tirar fotos e contemplar gratuitamente a beleza que se perde infinita num horizonte que a natureza generosamente presenteou os resende-costenses." Fonte : Jornal das Lajes

       E com nossas amiguinhas não foi diferente...encantaram-se e logo imaginaram como as pessoas da família e os amigos se sentiriam ao ver tamanha beleza. 
        As lembranças dos amigos fizeram com que nossa senhorinha voltasse no tempo novamente...
        Foram dois anos no Rio de Janeiro e as amizades que havia feito eram as cores que enfeitaram a sua vida durante aquele tempo de espera,quando suas malas estavam sempre prontas e seu coração sempre ansiando por outros vôos. As noites de sábado eram povoadas por muita música e confidências. Música na casa dos amigos Lelo (que mais tarde seria seu cunhado) e André ...música ao piano e ao violão, música na eletrola onde rodavam os discos de vinil e música também na escaleta , tocada pelo amigo Lelo  por vezes em serestas ao pé das janelas ou em frente a algum prédio onde morava um amigo. Música na voz do Cláudio que hoje canta para outros anjos, amigo muito querido, médico e companheiro de todas as horas. Saudades infinitas.
         Mas estávamos falando sobre a laje que tanto encantou nossa senhorinha e a fez pensar em contar a estes amigos sobre esta beleza. Suas malas ,como sempre ,estavam prontas...desta vez repletas de colchas do artesanato local que levaria para vender no Rio de Janeiro.
As colchas atuais, mais elaboradas e variadas

   

          Na época eram mais simples , porém muito belas também. Eram mais estreitas devido ao  tamanho dos teares, mas sempre executadas com capricho e esmero.
          Mas,além das colchas,algo bem mais valioso ia em sua mala...sonhos embrulhados em organzas e tules, esperanças envoltas em  finas musselines, multicoloridas lembranças de um poente jamais visto e um entusiasmo  que ultrapassava  os limites de sua imaginação. Conduzia esta mala com a delicadeza necessária aos sonhos, pisava com leveza para não deixar escapar nem um milímetro da esperança...e seguia com os olhos iluminados em busca do encontro com os amigos. Sonhava demais a nossa senhorinha, cultivava em estufas o seu romantismo e acreditava sempre que as cores do mar e do céu estariam sempre ali a um passo de seus desejos.
          
      
Vamos deixá-la na Rodoviária e em outro dia estaremos aqui, viajando com ela.

Um beijo para  cada um que por aqui passar.

12 comentários:

✿ chica disse...

Tão bom te ler,Leninha e que lindas colchas as de agora, mas imagino as de antigamente! Vamos esperar mais!

bjs praianos,chica

Anônimo disse...

Boa noite,minha querida Chica!

Tenho até hoje algumas destas colchas...são realmente muito lindas, minha amiga!
Como gosto de te ver por aqui! Principalmente por saber que está na praia e dedica um tempo a ler o que escrevo.Estou ainda ",engatinhando"por aqui,após tanto tempo parada. Rsrsrsrs.

Um beijo e o desejo de que suas férias continuem lindas ( Pelas fotos tenho uma bela visão desta praia).
Leninha

Élys disse...

Oi leninha é muito bom ler o que você escreve. Realmente nos encanta.
Um grande Abraço.
Élys.

leninha brandao disse...

Obrigada, meu querido!
Muito bom retornar e rever os amigos.Parece que nem parei de postar...
Um beijo carinhoso,
Leninha

Zilani Célia disse...

OI LENINHA!
ESPERO CONTINUARA ESTA VIAGEM JUNTO COM A SENHORINHA, TOMARA QUE EU NÃO ME PERCA EM MINHAS ANDANÇAS PELA BLOGOSFERA.
ABRÇS
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

leninha brandao disse...

Minha querida Zilani,

Também espero que venha acompanhar a viagem da senhorinha ...será um prazer a sua companhia. Um beijo, minha querida!

Acordar Sonhando . SOL da Esteva disse...

Os relatos mantêm a lucidez do tempo. Conheço estes novos padrões de colcha, mas tenho lembranças visuais dos dos tempos passados.
É bom voltar a ler-te.



Beijo
SOL

leninha brandao disse...

Meu querido sol,
Bom demais ler você também...a saudade era grande.
que continuemos a nos ver sempre!
Um beijo,
Leninha

manuela barroso disse...

Que saudades me fizeste nascer com essas colchas , esses teares que me fizeram recordar as colchas de linho do meu Minho . Que saudades dessas memórias com que lavraste o terreno do meu peito . Que saudades ainda de te " ouvir" com o teu estilo esmerado , purista , feito da mais requintada sensibilidade ! Que saudades de matar está saudade de te ver e recordar os tempos em que te conheci minha querida Leninha ! Que alegria por te ler de novo ! Estas mais apurada que nunca ! UPA, Leninha , sobe a ladeira da alma e canta teus perfumes na serra da VIDA !
Beijoooooooo!

leninha brandao disse...

Manu muito querida,
Tuas palavras sempre me emocionam...tens este dom. E relembrar o tempo em que a menina dos vinhedos vinha ao meu encontro é realmente delicioso.E saber que te fiz viajar ao teu Minho trouxe ao "terreno" do meu peito um aconchego que me fez sentir a trama do linho mesclada às lãs da minha Serra.E neste aconchego me aqueço na noite fria deste outono.
Obrigada, minha doce Manu!
Um beijo carinhoso!!!

Dalva Rodrigues disse...

Oi Leninha! Que privilégio ter uma linda paisagem sempre ao alcance dos olhos!
Fiquei feliz com sua visitinha e comentário, um grande abraço!

Anônimo disse...

Minha querida Dalva,
Sou eu a agradecer a sua presença constante e o seu carinho comigo.E visitar o seu cantinho é sempre um prazer imenso.
Um beijo carinhoso.
Leninha

      As palavras do poeta martelavam em sua cabeça... sabia do cair e do levantar também... tantas vezes experimentara o caminho resva...

Postagens mais visitadas